Coisas de coisas

15th December 2013

Post

Então é isso. Não quero ouvir suas desculpas. Só saia daqui. Olha pra sujeira que você fez! Você entende de sujeira, não é? Não responda.

Eu sou muito patético. É isso mesmo. Eu nunca acreditei em você, não pense que me enganou, mas agora, agora  não consigo suportar isso. Pegue sua mala e vá. Vá e não volte. 

Leve também essa nuvem cinza. Não diga mais nada. NÃO ME CHAME ASSIM. Você me dá nojo. Não diz nada. Não quero te ouvir. Para.

Não tem volta. Não tem desculpa. Não tem. Não tenho. 

Me dá o livro e o dinheiro. Pronto, nunca mais tenho que olhar pra sua cara. Tchauzinho. 

De: uma pessoa no fundo da fossa cavada.
Para: uma pessoa enganada.

2nd June 2013

Post

Coroa de Flores

Não se deve acreditar. Jamais acreditar, afinal tudo o que levamos dessa vida é decepção atrás de decepção. Não acredito. Selo hoje um pacto. Um pacto comigo mesmo, de que não mais deixarei que as pessoas me iludam. Ilusão. Palavra tão doce e cruel. Arranha minha existência exatamente na mesma linha em que escorrem minhas lágrimas. Não quero mais chorar, mas as lágrimas insistem em cair sobre meu peito. Aprender algo da forma mais cruel não é o modo mais esperto de viver. Afinal, o que é viver? Dizem que a felicidade só vem depois do sofrimento. Se a vida for realmente assim, não quero ser feliz. Enquanto as lágrimas caem nessa folha, penso na felicidade que vão trazer. Seria mais simples se fosse assim, mas aí está outra ilusão. Respiro fundo, tento conter meus soluços, tento conter, tento me conter. Se eu consigo? Não sei dizer. Talvez. Viver apenas com minhas ilusões. Sofrer por mim mesmo e nunca mais pelos outros, não é o caminho pra felicidade, mas é um caminho. Me perguntam se já tive que tomar decisões difíceis na minha vida e debocham de mim. Ora, a cada instante tomamos decisões difíceis, coisas que pra você, talvez, sejam fúteis. Mais calmo, tento ouvir o que tem a dizer mas sei que você vai tentar me iludir mais uma vez. As pedras, a água, Ofélia vai boiando. E com ela, afogam-se todas as minhas mágoas e eu fico aqui, seco, sem outras escolhas a não ser prosseguir. E assim vou eu, seguindo a vida como se a Ofélia morta estivesse dentro de mim (e está), tentando não ser apenas mais um ícone de sua existência, mas falhando como sempre. 

Tagged: Ofélia

14th March 2013

Photo reblogged from ZER0 with 238 notes

zeroing:

Nadia Wicker

zeroing:

Nadia Wicker

4th February 2013

Photo reblogged from Yelling at the Stars with 1,112 notes

26th January 2013

Photo reblogged from ZER0 with 106 notes

zeroing:

Will Chalker By Miles Aldridge

zeroing:

Will Chalker By Miles Aldridge

11th July 2012

Photo reblogged from Realidade Paralela with 127 notes

18th May 2012

Post

hipócritas

Confiança é como uma taça de cristal: difícil de ser feita e muito fácil de ser quebrada, ou riscada. Talvez confiança não seja necessariamente o objeto certo, mas a ideia é a mesma. Toda vez que uma mentira é contada ela vai pelo menos riscar a taça. Eu sei que provavelmente a mentira que estou mencionando não foi proposital, mas mesmo assim me deixou um pouco chateado. Desculpas nunca são o melhor caminho, e se eu faço algo errado prefiro que me digam o que foi para que eu possa buscar melhoria. E também sei que se a mentira foi proposital foi simplesmente para não me deixar chateado. Ser você o motivo da minha mágoa apenas a aumenta. A única coisa que eu realmente preciso é a verdade, por mais dolorida que seja.

3rd May 2012

Post

dúvidas

Era uma menina tão bonitinha. Trancinhas, vestidinho e chapeuzinho. Era seu primeiro dia na escola e ela estava tão animada. Entrou na sala e achou a decoração tão bonita! Um lado tinha as paredes todas pintadas de azul-noite e as carteiras era cinza, os alunos daquele lado se vestiam igualmente com um uniforme verde. O outro lado tinha as paredes vermelhas, as carteiras eram rosa e os alunos se vestiam de um tom de laranja-abóbora. Os alunos de verde estavam sentados, lendo, escrevendo enquanto os de laranja dançavam loucamente entre si, cantavam e desenhavam com canetinhas e lápis coloridos.

Ambos os lados se ignoravam. Os do lado azul não ligavam para a bagunça dos de laranja, que não invadiam o espaço dos de verde. A mesa da professora era de um mogno escuro. Era uma bonita mulher, ruiva com um rabo de cavalo. Quando olhou para a garotinha foi possível ver que seus olhos tinham cores diferentes: um azul e outro verde. Estava sentada olhando para a sala, mas quando viu aquela garotinha incomum levantou-se e caminhou até ela. Perguntou seu nome e soube que era Tereza. A da professora era Julia, ou Alice, a garotinha não entendeu direito. A professora reparou nos sapatinhos laranja da garotinha, então a mandou sentar no lado vermelho da sala. A garotinha sentou em sua mais nova carteira rosa. Olhou pro lado e viu um menino e uma menina a olhando feio. Apresentou-se e perguntou se tinha algo errado. Ora, é claro que tinha, responderam as crianças, o cinto que estava em torno de seu vestidinho era verde, e verde era a cor do outro lado. A menina de laranja reclamou do cinto para a Julia, que sugeriu à Tereza que tirasse seu cinto, mas a menina de laranja disse que não adiantava nada tirar, porque o verde estava no imaginário daquela garotinha nova de vestidinho. A professora, sem mais argumentos, pediu à Tereza que se sentasse do outro lado da sala. Acomodou-se na carteira cinza e retirou seu caderno rosa da mochila. Um dos meninos que escrevia olhou aquilo horrorizado e chamou a Alice. Não é possível alguém escrever em algo com aquela cor, reclamou o garoto, aquela cor praticamente o cegava. A professora pediu então que o menino emprestasse uma folha de caderno para a Tereza, o que foi recusado, por suas folhas serem muito preciosas. Ninguém daquele lado emprestou folha alguma, então Tereza guardou seu caderno e se sentou na grande mesa de mogno da professora. Os alunos de ambos os lados a olhavam com ódio. Não era possível alguém usar o verde e o laranja ao mesmo tempo! Não era permitido! Como a professora permita que aquela garota nova com vestidinho permanecesse na sala? Mesmo que no outro dia ela viesse com uma só cor, nenhum dos lados a aceitaria, pois a outra cor já estava no imaginário da garotinha.

A inocente garotinha não compreendia e não aceitava ter que escolher apenas uma cor, afinal ela gostava tanto de seu cintinho verde… Seu sapatinho laranja era tão lindinho! E seu vestidinho era xadrez, não queria usar algo apenas verde ou apenas laranja. Ela queria usar suas estampas de florzinha e sua jaquetinha de couro! Não era justo ter que usar apenas uma só cor! Pôs-se a chorar. Chorou, chorou. A professora viu e se aproximou. Perguntou o que acontecia e ouviu atentamente a explicação da garotinha. A professora então explicou que a vida era assim, não se podia querer ser verde e laranja, era preciso escolher entre o verde ou o laranja. Ninguém poderia querer as duas juntas ou mais de uma cor. A garotinha pensou em seus pais e disse à professora que nenhum deles usava verde ou laranja. A professora disse que isso não era possível, ou eles usavam uniforme (como ela estava usando) ou eles eram contra a natureza. A menina chorou novamente. Com o fim da aula nenhuma criança chegou perto dela. Ela tentava falar com alguém, mas ninguém respondia. Ela era laranja demais para falar com alguém de verde, e era verde demais para falar com alguém de laranja.

Caminhando sozinha na rua preta olhou para o céu azul celeste. Ela não desejava ser ou laranja ou verde. Ela não queria… Ela olhou para cima e pediu a seu Deus que a ajudasse. Deus não respondeu. A garotinha chorou novamente e decidiu sentar na calçada. Perguntou-se o porquê de ninguém gostar do colorido e deprimiu-se. As outras pessoas não compreendiam… Enxugou a última lagrima e levantou-se. Quando olhou para frente viu algo que ninguém acreditaria. Um unicórnio branco com o chifre reluzente estava parado olhando para ela. O unicórnio veio em sua direção e encostou o focinho em seu ombro. A garotinha achou graça e riu. A garotinha subiu na calçada e pôde subir no unicórnio. Quando estava bem confortável o unicórnio começou a galopar. Galopava tão velozmente, mas ela não sentiu medo. Com um salto, o unicórnio começou a galopar no ar. Lá de cima a garotinha viu a cidade toda. Chorou de novo, pois um lado da cidade era cinza e outro era rosa. Até a cidade era dividida. Olhando para o unicórnio desejou não mais ter de fazer escolhas, pois isso a estava matando ao poucos. O chifre do unicórnio brilhou fortemente e a garotinha não pôde ver nada. Quando se deu por si percebeu que estava num lugar totalmente diferente. Seu desejo se tornara realidade por fim.

2nd May 2012

Post

Sobre a efemeridade de tudo

Eu tive um sonho. Eu via um campo sem fim e grama alta. Estava lá, mas eu era nada. Via um menino que, sentado de cócoras, olhava para o horizonte, e para mim, e era visível um brilho emanar não muito forte de sua pele. O menino estava nu e me senti embaraçado quando olhou fundo nos meus olhos e levantou-se. Caminhou levemente em direção a uma rosa tão vermelha que sua cor vibrava. O menino olhou para a rosa, e para mim, e pude sentir o amor que ele nutria por ela, e ao mesmo tempo pude sentir uma certa tristesa e preocupação. Não sei se sempre esteve ali, ou se aparecera por mágica, mas vi um pincel fino com algumas cerdas nas mão do garoto. Delicadamente ele pousou as cerdas sobre uma pétala e carinhosamente a pintou, não sei de onde aquela tinta tinha surgido, mas entendi que no passado a cor daquela rosa era muito mais bonita e vibrante do que hoje. O menino lutava para manter a beleza daquela rosa, mas a artificialidade o preocupava. A rosa sentia-se muito feliz, mesmo sem conseguir compreender, mas sabia que era muitíssimo bela e não sofria por sua cor ser falsa. Mas o menino sofria a cada gota de tinta derrubada. Tão misteriosamente quanto o aparecimento do pincel, vi uma tesoura de jardinagem pousada ao lado do caule da bela flor. O menino descansou o pincel na grama, sentou-se e pensativo olhou para a tesoura. Li sua mente e entendi o nó surgido em sua cabeça. Ele poderia viver aquela mentira diariamente a pintar a rosa e deixá-la feliz, mas destruir a si próprio pelo simples fato de nada ser verdade, ou ele poderia simplesmente cortar aquele caule e acabar com aquela falsidade, mesmo que o amor que ele sentia por ela pudesse também destruí-lo. Em meio a tanto brilho pude ver seu olho se encher de lágrimas. Senti uma correr pelo meu rosto. Acordei.

8th February 2012

Question

riopse said: Olha só -q

hello é vc q fica escrevendo? t-t